O Legado Sombrio de Evard

Encontro 1 - Shadows Gather (Reunião das Sombras)

Logo depois do anoitecer, a chuva aumenta e os ventos se tornam mais fortes.

Ele balança as cortinas e espalha as brasas da chaminé.

O salão começa a esvaziar com os nativos terminando as suas cervejas e se dirigindo para suas casas.

Logo, as únicas pessoas restantes são um trio de anões viajantes, um jovem de cabelos negros com um manto de escolar acompanhado de seu servo halfling, um guarda corpulento com um manto marrom, o taverneiro (um homem de barbas grisalhas), e a proprietária do local (uma robusta mulher de meia idade que se introduziu como Tilda Grenfield quando vocês pediram abrigo por essa noite).

O guarda termina uma caneca de cidra quente. “É melhor eu ir”, ele diz a Tilda.

“Cuide-se Grimbold”, ela responde. “Acho que fecharemos cedo. Não é noite para pessoas de bem estarem por aí”.

“Aye?”, um dos anões pergunta. “E por quê?”.

“Porque fantasmas andam soltos em noites como esta, amigo”, o guarda responde.

O jovem escolar entra na conversa: “Estaria o fantasma de Evard entre esses?”.

“É o que dizem”, Grimbold responde. “Você deve saber mais disso do que eu”.

“Fiquem quietos todos vocês!”, diz Tilda. “Esse é um nome que não se deve pronunciar”.

Descrevam as ações e falas de vocês nos comments aqui embaixo.
Esta é a cena:

Introducao

Em caso de não visualização, clicar aqui


Khalid calmamente se levanta, caminhando em direção ao escolar, falando de forma calma, porém firme:

“Por que o nome de Evard não pode ser pronunciado, mulher?” “Medo de maldições, fantasmas e sombras?”

“Bah! Já estamos mergulhados na escuridão! Os malditos nethereses sobrevoam Sembia como abutres, esperando a hora de entrar em Cormyr. Criaturas bizarras da Praga Mágica andam livremente por Faerun, devorando os incautos. E aqui em Cormyr, a corrupção da nobreza corroi a todos nós!”

“Já que todos seremos aborvidos pelas trevas, que possamos infligir a maior dor possivel nestes inimigos sombrios antes de cairmos!”

Khallid olha friamente para todos, tentando intimidar os presentes (teste de Intimidate = 14 + 8 = 22).

Falando sozinho e balançando a cabeça: “Faerun, assim como Tilverton, já é um poço de escuridão…”

Khalid chega ao escolar e diz: “Você sábio, pode nos iluminar mais sobre Evard? O que sabe sobre a história dele? Permita pagar-lhe uma bebida” (teste de Diplomacia = 1d20 + 8 + 2 de bônus pelo intimidate = 16 + 8 + 2 = 26).
__________________________________________________________________________

Enquanto isso, Lemnorian se mantém calado, observando toda a situação e o que Khalid está falando (insight passivo = 9 e perception passivo = 16).
__________________________________________________________________________

Todos se calam e se retraem com as palavras fortes de Khalid.

O escolar responde com seus olhos negros fixados nos de Khalid, com um tom aristocrático e um pouco arrogante: “Evard foi um poderoso mago que desapareceu 50 anos atrás. Sua especialidade era magia infundida com o poder das sombras. Na verdade, ele parece ter redescoberto a magia das sombras após a queda do shadow weave com a Praga da Magia, tendo elaborado diversos feitiços – talvez você já tenha escutado sobre os Tentáculos Negros de Evard? Tenho tentado juntar os pedaços das histórias de suas aventuras há anos, e a trilha me levou até aqui. Nunca esperei encontrar o seu túmulo em um esquecido vilarejo como Duponde. Agora posso conhecer o final da história e – cá entre nós – partir desta comunidade atrasada”.

Khalid nota (insight passive = 18) que o escolar parece admirar Evard e que ele não acredita que um mago de tamanho poder teria sido derrotado tão facilmente. Ele também crê que os nativos não entendem a importância do Túmulo de Evard.


Após o escolar responder a Khalid, Lemnorian se mostra mais interessado na conversa. Ele acredita que o que está ouvindo do escolar é realmente verdade.

Passando as mãos pelos cabelos longos e jogando os para tras, Lemnorian, com um semblante jovial e inquisitivo, com uma voz num volume suficiente para que todos ouçam, diz o seguinte para o escolar:

“Muito interessante a história de que falas. Apesar de nunca ter ouvido sobre esses tais Tentaculos Negros. Do que se tratam? Ao que me parece, esse a quem chamas de Evard se aventurou por essa região no passado e não teve um final muito feliz. Entretanto, por que motivo se abalou até essa, como o senhor disse… ahm, deixe me lembrar… comunidade atrasada? Foi somente para ter conhecimento do que aconteceu com o infeliz Evard? Por acaso seria seu amigo?”
___________________________________________________________________________________________

O escolar, dessa vez se mostrando mais arrogante, responde: “Os tentáculos são simplesmente uma obra prima de feitiço criado por Evard. Não devo explicações a vocês, mas já disse que vim para este fim de mundo apenas para investigar sua história”.

O veterano guarda Grimbold se aproxima até a mesa de Lemnoriam e diz: “O escolar Nathaire é um bom sujeito, embora se ache melhor que esta cidade e faça questão de deixar isto claro. Ele está aqui há alguns dias. Paga suas gastas, deixa um pouco de dinheiro no vilarejo, enquanto estuda o Tùmulo de Evard. Já vi coisas estranhas, mas posso dizer que Duponde é um local calmo. Gostamos deste jeito”.

Khalid percebe (insight passive = 18) que o guarda realmente não está preocupado, embora esteja feliz de evitar o tempo ruim lá de fora, permanecendo na estalagem para conversar.

Fora o tempo ruim, Lemnoriam não percebe nada de anormal dentro ou fora da estalagem, mas nota que a proprietária Tilda susurra algo aos anões, algo que ficou além dos seus ouvidos élficos (teste de perception = 7+ 6 = 13).
__________________________________________________________________________________________

Ao ser abordado pelo guarda Grimbold, Lemnorian responde somente para ele:“Eu realmente não gosto desses sujeitos que se acham melhor que os outros, mas enfim, cada um vive do jeito que quer… paciência…”
Ao perceber que a estalajadeira Tilda sussurou algo aos anões, conclui sua conversa com Grimbold dizendo: “Bom, vou pegar mais uma bebida no balcão para me aquecer, provável que essa chuva me faça ir para a cama mais cedo.”
Após se desvencilhar do guarda, Lemnorian se aproxima do balcão e pede ao taverneiro: “Por favor senhor, mais uma bebida, a saideira”.
Enquanto isso, Lemnorian fica disfarçadamente observando a movimentação dos anões e de Tilda (teste perception:1d20+6=7), esperando a bebida.
Infelizmente, não conseguiu perceber sobre o que estava susurrando (falha crítica), mas Tilda se vira até ele e diz:
“Não ligue para essa babozeira. Apenas aprecie o calor da lareira e sintam-se em casa!”.

Khalid sente (insight passive = 18) que a proprietária está assustada enão quer se preocupar com mais histórias de fantasmas.
___________________________________________________________________________________________

Zanoro acha tudo muito estranho e não desgruda os olhos da fala de Tilda. Por que estaria ela cochichando?
Ainda se mantém no aguarde, disfarçadamente examinando mais atentamente o vestuário e equipamento dos anões.

(Perception = 1d20+7=13)

O pálido vryloka também não consegue perceber o que disse Tilda, embora tenha conseguido ler em seus lábios a palavra “fantasma” sendo pronunciada aos anões.

Com os seus olhos vermelhos fixados nos anões viajantes, consegue perceber e deduzir que, pela sujeira e equipamentos portados, são os responsáveis pelo conserto das pontes avariadas.

Talvez se sentindo desconfrotáveis com o olhar inquisitorial de Zanoro ou apenas por estarem cansados após um dia árduo de trabalho, os anões se levantam e partem em direção ao seu quarto na estalagem.

O guarda Grimbold, percebendo o adiantar da hora, também se levanta e se dirige à saída.

O escolar Nathaire levanta, mas permanece no mesmo local.

O estalajadeiro termina de arrumar o balcão, enquanto Tilda se dirige para recolher os pratos e limpar as mesas.

Vocês dividem um quarto. Irão até ele ou há algo mais a fazer?
__________________________________________________________________________________________

Khalid, ainda junto ao Scholar, fala:
“Interessante, a história e principalmente o poder de Evard. Seria um desperdício deixar ao esquecimento um poder sombrio destes.
Tenho uma proposta para voçê sábio e creio que meus companheiros Lemnoriam e Zanoro não irão se opor – Podemos acompanhá-lo em sua busca pelo túmulo de Evard. Eu gostaria muito de testumunhar tal poder e de qualquer forma, como todo túmulo de arcano poderoso, provalvelmente há guardiões protejendo tal local. Estou farto de ficar esperando o tempo passar, seria uma oportunidade, também, de quebrar alguns ossos (bate em seu mangual de três cabeças) e provocar dor em possíveis inimigos… afinal, como membro da Ordem da Dor Eterna, é essa a minha vida… ha ha ha (risada sarcástica.) O que me diz, sábio?”

Tilda engole seco quando escuta a proposta tenebrosa de Khalid.

O arrogante escolar abre um sorriso e retruca:

“Não preciso da ajuda de ninguém! E acho que você se impressionou com essas história de fastasmas! Hahaha…”

Todavia, sentindo o efeito do intimidante sarcasmo de Khalid, continua:

“Mas, se faz tanta questão e se considera essa sua missão, poderá ir comigo amanhã ao túmulo. Apenas um louco iria até lá no início da noite e sob essas condições climáticas. Se assim quiser, terá que ir sem a minha companhia. Caso o contrário, encontro-lhe na saída desta espelunca 1 dedo antes do sol nascer!”


Zanoro não tem certeza do que sente ao ver seu companheiro mencionar a palavra “dor”, um misto de desprazer e necessidade ou talvez ainda um trago de imaginação, não tinha certeza do que o aguardava naquele tumulo misterioso, mas com certeza não seria “medo de fantasmas” o que agoniava o barbaro. Talvez o pouco contato com poderes Arcanos pudesse estar mexendo com seus pensamentos.

- Minha curiosidade é grande amigo Khalid, mas não sei se pela DOR ou pela aventura!

Ainda um pouco inquieto com a situação Zanoro continua a aguardar, ansioso pela resposta de Lemnoriam.
__________________________________________________________________________________________

Diante do silêncio de Lemnoriam, Zanoro agita as mãos fazendo um sinal duvidoso a seus colegas, não demosntrando aprovação ou reprovação:

- Vou tentar descançar um pouco mais antes de partimos. Um dedo antes de o sol nascer, que seja.

Zanoro ruma para o seu quarto.


Khalid faz o mesmo e avisa:
- Estaremos esperando então, sábio, no local e tempo combinados. Farei preces a Deusa da Dor, descansarei e, após isso, partirei juntamente com quem quiser vir.
_________________________________________________________________________________________

No meio da madrugada, uma poderosa sensação desperta vocês. Sentem como se estivessem sendo puxados para todas as direções, sem a habilidade de se orientarem. Nada no quarto está faltando, mas os móveis estão fora do lugar, o ar está gelado e as paredes estão levemente entortadas. A luz das velas e lamparinas está estranhamente obscura e há sombras e escuridão por todos os lados.

Um grito de terror eclode no salão principal, seguido por um ruído de asas e o de quebrar de pratos. A estalagem Velha Coruja está sob ataque!

O taverneiro está caído ao chão. Não há mais ninguém além das criaturas cinzentas feitas de pedra que voam pelo salão. Vocês percebem que elas são as gárgulas que adornavam a entrada da estalagem.

O que farão?

Essa é a cena:

Captura de tela 2011 07 03  s 13.40.41


Zanoro, o pálido vryloka, urra ferozmente na tentativa de desmotivar as criaturas, enquanto saca sua espada de duas mãos e pensa na melhor estrategia.
Um ataque no meio da noite só viria por confirmar suas desconfianças: alguém não queria que a exploração fosse realizada.

As três inquietas criaturas param ao ouvirem o forte urro e pousam ao encararem o rúbio olhar do bárbaro, acuadas nos cantos onde se encontram.


No entanto, algo parece errado com Zanoro. Ele começa a sufocar e a sua palidez vai se desfazendo com o corar causado pelo sangue que se acumula em razão da obstrução de sua circulação. Uma sombra parece estar estrangulando a sombra do bárbaro … mas, ele sofre os efeitos.

84


O elfo Lemnoriam, com sua rapidez e astúcia ladina, rapidamente percebe o que está acontecendo e dispara uma flecha certeira na sombra que sufoca Zanoro, que se desfaz, liberando o vryloka.


Khalid saca rapidamente a sua mangual de três pontas e caminha na direção da gárgula mais próxima, atento a qualquer outra sombra estranguladora.

A assustada criatura estarrece diante da forte presença do blackguardian e foge pela janelas mais próxima. As outras duas criaturas de pedra fazem a mesma coisa.

Todavia, a precaução de Khalid não foi suficiente para enxergar direito em meio a tantas sombras que se retorcem no ambiente e uma criatura sombria o estrangula.


Lemnoriam não perde tempo e se mostrando mais uma vez ágil e prestativo, disfere outra certeira flecha na criatura, desfazendo a sombra.

Após examinar atentamente o local, tem certeza que não há mais nenhuma dessas criaturas.

A estalagem está livre
___________________________________________________________________________________________

View
Introdução - Começa a aventura

Cansados após um dia de marcha sob chuva forte, vocês estão aquecendo os corações na Estalagem Velha Coruja, na cidade de Duponde. Vocês têm viajado a Estrada Real por uma semana, dirigindo-se ao sul para a cidade de Sarthel, com uma correspondência do novo Lorde de Assuntos Especiais de Cormyr, Lorde Markelhay.

Quando chegaram em Duponde, descobriram que as duas pontes da cidade sofreram avarias pela recente cheia do Rio Nentir. Agora vocês precisam esperar por alguns dias até que os trabalhadores consertem as pontes.

Vocês já se conhecem.
Introduza brevemente o seu personagem nos comments aqui embaixo e gaste um tempo lendo para conhecer os demais membros do grupo.

Dn d 5 party at the tavern

View

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.